Porque se faz e se repete, parece que é o normal...

Ainda bem que existe a historia, que nos lembra de como deve ter sido o tal do outrora, de outra era que passou. Pensar que a boca da barra começava no morro do Leme, o que se seguia era uma ilha e uma laje, a hoje conhecida Ilha da Laje; a ilha da Trindade era constituída pelos picos do Pão de Açúcar, Cara de Cão e Urca. Havia ligação direta do mar aberto para Botafogo, que foi aterrada em 1697, e o aterro virou a praia Vermelha. A ilha da Trindade é hoje o bairro da Urca.

Apesar de fechada a passagem, as águas das praias internas, Flamengo e Botafogo continuaram a ser balneáveis, não só pela proximidade com a boca da barra, mas principalmente não havia a expansão demográfica que aconteceu dos anos 60 para cá.

A partir daí, mais a desordenada ocupação do solo e o descaso com o saneamento básico dos sete municípios que margeiam a Baia de Guanabara, transformaram-na num verdadeiro esgoto a céu aberto onde são despejados cerca de 461,5 milhões de litros de esgoto domestico in natura por dia (dados de 2015), transformando seu espelho d’água em algo semelhante a um imenso vaso sanitário.

Por conta disso, alem do que se perde em saúde, deixamos de ter a chance de explorar turisticamente todo seu entorno, uma enormidade em riquezas e empregos.

O grito por Baia Limpa é também por um Brasil passado a limpo.

Metáforas implícitas colocadas, se cada município tratar dos seus esgotos, evitando despejo na maltratada baia nossa da Guanabara, em breve teríamos de volta a balneabilidade de todo espelho d’agua. Sonhos quixotescos...?? Nem tanto.

A parte que nos afeta diretamente se resume a três ou quatro rios que deságuam entre os bairros da Gloria e Urca. Caso houvesse o fechamento das torneiras de esgoto na rede pluvial, dos despejos clandestinos e oficiais, graças a proximidade da boca da barra e a constante troca das marés, rapidamente teríamos uma sensível melhora das águas dessa área, como visto por ocasião das olimpíadas, quando se fecharam as torneiras e por sorte do período sem chuvas, não houve grandes extravazamentos e as águas estavam límpidas...

Essa “vontade política”, saneamento básico, beneficiaria diretamente os bairros do Centro, Flamengo, Gloria, Lapa, Botafogo e Urca e por tabela, todo o município.

E a nós, velejadores, aprendizes que somos na vida, ter de conviver com o descaso e incúria por conta de desvios de conduta política, nos revolta e faz-nos juntar à luta por atitudes que ajudem a resolver essa questão de saúde publica que tanto nos afeta. Pois onde aprendemos e crescemos no esporte é justo a área de deságue do rios Carioca e Banana Podre que lançam diuturnamente, esgoto in natura nas águas da baia, nossa praça de esportes.

Queremos de volta a balneabilidade da área!!

Queremos de novo a Baía Limpa!!